Nada Feito Nada – Augusto de Campos

Quarta-capa de Nada Feito Nada
Augusto de Campos

O que fazer da poesia, agora pós-tudo? Poucos, velhos ou jovens, têm ousado encarar de frente a pergunta-sem-resposta. Frederico Barbosa é um desses poucos.
Apresentando-lhe o livro de estréia, Rarefato (1990), Sebastião Uchoa Leite chamou a atenção para a personalidade marcante do jovem poeta, que vejo plenamente confirmada nesta nova safra.
Vejo também com satisfação que Frederico não abandonou o experimentalismo assumido em Resistência ao Ar, da primeira coletânea (o qual, lá como aqui, inclui o aspecto físico do texto e do livro, com a sofisticada cooperação de Carlos Fernando).
Mas é em especial no poema Sem Nem que Frederico se coloca o dilema crucial do pós-fazer, a justificar a farpa ambígua do título geral: Nada Feito Nada. Depois da poesia entre parênteses, a poesia entre paredes. Essa dramatização da negatividade, esse pôr tudo em questão, vazado em linguagem tão sucinta e tão radical, me agrada muito.
É verdade que, negando tanto e tão totalmente, o poeta arrisca-se a uma responsabilidade quase insuportável, que, levada às últimas conseqüências, poderia situá-lo no difícil limite entre o falar e o calar. Mas este é o supremo desafio dos poetas. Que conta com as minhas – valham o que valerem – minoritárias bênçãos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s