Day Dream / Sonhos

Sonhos – Imada

Esse castelo
o que há de antigo
nosso no ar
vai se construindo
em meio improvável
desatento.

Tantas referências
nossas lentes
fora desse mundo
do vago ralo
da rapidez indiferente.

Nesse nosso castelo
vão circulando, vivos,
tantos Dukes, Claudes, Luchinos
e vários James amigos
nossos companheiros de sempre.

Sonhos aprisionados
nessa torre
ilha
correm soltos
mar de marfim
por dentro.

Dedicar cada dia
entre tantos
inúteis momentos
a refinar
cada gesto palavra cor
ou sentimento.

Nadar no vazio alheio
movidos
por nosso sonho
claro e tácito
acordar comovido
da mente em movimento.

Nesse castelo, nossa praia
essa coragem nossa
sua presença acende.
Um mundo raro
um sonho em claro
doce recheio
sem resposta.

Sonhamos
vida
sempre acordados
um sonho contrário
que se arrasta em brilho
contra a corrente.

Frederico Barbosa, 1991

Poesia e Jazz 13

DAY DREAM

Esse castelo
o que há de antigo
nosso no ar
vai se construindo
em meio improvável
desatento.

Tantas referências
nossas lentes
fora desse mundo
do vago ralo
da rapidez indiferente.

Nesse nosso castelo
vão circulando, vivos,
tantos Dukes, Claudes, Luchinos
e vários James amigos
nossos companheiros de sempre.

Sonhos aprisionados
nessa torre
ilha
correm soltos
mar de marfim
por dentro.

Dedicar cada dia
entre tantos
inúteis momentos
a refinar
cada gesto palavra cor
ou sentimento.

Nadar no vazio alheio
movidos
por nosso sonho
claro e tácito
acordar comovido
da mente em movimento.

Nesse castelo, nossa praia
essa coragem nossa
sua presença acende.
Um mundo raro
um sonho em claro
doce recheio
sem resposta.

Sonhamos
vida
sempre acordados
um sonho contrário
que se arrasta em brilho
contra a corrente.

Poesia e Jazz 12

STELLA BY STARLIGHT

Quem viu estrelas
ouviu aquelas
perdidas vias velhas:

O som do rio aflito
a tarde triste em guarda
a penumbra arde em arrebol
a sinfonia astral amarga
o rouxinol perito provençal.

O som é tudo o que se adora
é tudo isso e muito mais:
um tema grego antigo
Stella by Starlight
lua trançada no cabelo
voz de desconcerto.

Tontura alta dos amantes
dribla dentro, explode em canto.

Poesia e Jazz 10

NIGHT IN TUNISIA

Um piano corre solto
como louco no deserto.

Cada palavra em pó se espalha
a noite cai como um consolo.

Treme túnica rouca
na aventura dessa estrada.

Um murmúrio exato enterra
no deserto a noite clara.

Palavra vaga e falha
uma noite em lua brada.

Trama toada louca
na raia atormentada.

Um sábio exótico se devora
enquanto o sol chove lá fora.